Staphylococcus Aureus (Estafilococos) – Causas e Sintomas

A Staphylococcus Aureus (Estafilococos), denominada neste artigo também como bactéria staph, tem sido reconhecida como uma das bactérias mais populares que causam doenças em humanos.

É a principal causa de infecções da pele e dos tecidos moles, como abscessos (furúnculos), furúnculos e celulite. Embora a maioria das infecções por Staphylococcus não sejam graves, esta pode causar infecções graves, como infecções da corrente sanguínea, pneumonia ou infecções ósseas e articulares.

Staphylococcus Aureus

Causas e sintomas de infecção da Staphylococcus Aureus

As infecções por estafilococos podem variar de pequenos problemas de pele a endocardite, uma infecção que ameaça a vida do revestimento interno do coração (endocárdio). Como resultado, os sinais e sintomas das infecções por estafilococos variam amplamente, dependendo da localização e gravidade da infecção.

Infecções da pele

Infecções da pele causadas por bactérias staph incluem:

  • Fervura O tipo mais comum de infecção por estafilococos é a fervura, uma bolsa de pus que se desenvolve em um folículo piloso ou glândula sebácea. A pele sobre a área infectada geralmente fica vermelha e inchada.Se a fervura se romper, provavelmente irá drenar o pus. Furúnculos ocorrem mais frequentemente sob os braços ou ao redor da virilha ou nádegas.
  • Impetigo. Esta erupção contagiosa, muitas vezes dolorosa, pode ser causada por bactérias estafilococos. Impetigo geralmente apresenta grandes bolhas que podem vazar fluido e desenvolver uma crosta cor de mel.
  • Celulite. A celulite – uma infecção das camadas mais profundas da pele – causa vermelhidão e inchaço da pele na superfície da pele. Feridas (úlceras) ou áreas de corrimento escorrendo também podem se desenvolver.
  • Síndrome da pele escaldada estafilocócica. Toxinas produzidas como resultado de uma infecção por estafilococos podem levar à síndrome da pele escaldada estafilocócica. Afetando principalmente bebês e crianças, esta condição apresenta febre, erupção cutânea e às vezes bolhas. Quando as bolhas quebram, a camada superior da pele sai – deixando uma superfície vermelha e crua que parece uma queimadura.

Envenenamento alimentar

Bactérias Staph são uma das causas mais comuns de intoxicação alimentar. Os sintomas aparecem rapidamente, geralmente poucas horas depois de comer um alimento contaminado. Os sintomas geralmente desaparecem rapidamente, também, frequentemente durando apenas meio dia.

Uma infecção por estafilococos na comida geralmente não causa febre. Sinais e sintomas que você pode esperar com este tipo de infecção por staph incluem:

  • Nausea e vomito
  • Diarréia
  • Desidratação
  • Pressão sanguínea baixa

Septicemia

Também conhecida como envenenamento do sangue, a septicemia ocorre quando as bactérias staph entram na corrente sanguínea de uma pessoa. Febre e pressão arterial baixa são sinais de septicemia. As bactérias podem viajar para locais dentro do seu corpo, para produzir infecções que afetam:

  • Órgãos internos, como o cérebro, coração ou pulmões
  • Ossos e músculos
  • Dispositivos implantados cirurgicamente, como articulações artificiais ou marca-passos cardíacos

Síndrome do choque tóxico

Esta condição de risco de vida resulta de toxinas produzidas por algumas cepas de bactérias staph e tem sido associada a certos tipos de tampões, feridas na pele e cirurgia. Geralmente se desenvolve de repente com:

  • Febre alta
  • Nausea e vomito
  • Erupção cutânea nas palmas das mãos e nas solas dos pés que se assemelha a queimaduras solares
  • Confusão
  • Dores musculares
  • Diarréia
  • Dor abdominal

Artrite séptica

A artrite séptica é frequentemente causada por uma infecção por estafilococos. As bactérias costumam atacar os joelhos, ombros, quadris e dedos das mãos ou dos pés. Sinais e sintomas podem incluir:

  • Inchaço nas articulaçoes
  • Dor severa na articulação afetada
  • Febre

Duração da doença / Infecção

  • Algumas pessoas podem ser colonizadas com Staphylococcus e nunca ter uma infecção.
    • Para as pessoas que contraem uma infecção, o tempo de exposição ao desenvolvimento da doença pode ser de dias a anos.
  • Muitas infecções cutâneas comuns causadas por esta bactéria cicatrizam sem tratamento médico.
    • No entanto, algumas infecções cutâneas exigem incisão e drenagem do local infectado e algumas infecções podem exigir antibióticos.
  • A maioria das infecções da pele cicatriza dentro de algumas semanas.
    • Infecções cutâneas mais graves podem levar mais tempo para cicatrizar se o tratamento for atrasado ou se for dado tratamento ineficaz.
  • Algumas infecções graves (como pneumonia ou infecções na corrente sanguínea) normalmente requerem hospitalização e tratamento com antibióticos intravenosos.

Staphylococcus é transmissível?

A resposta rápida é sim. Sendo mais frequentemente transmitido para outras pessoas por mãos contaminadas.

A pele e as membranas mucosas são geralmente uma barreira eficaz contra a infecção. No entanto, se essas barreiras forem violadas (por exemplo, danos à pele devido a trauma ou dano da mucosa devido à infecção viral), a bactéria pode ter acesso a tecidos subjacentes ou à corrente sanguínea e causar infecção.

Fatores de risco

Uma variedade de fatores – incluindo o status do seu sistema imunológico e os tipos de esportes que você pratica – pode aumentar o risco de desenvolver infecções por estafilococos.

Condições de saúde subjacentes

Certos distúrbios ou os medicamentos usados ​​para tratá-los podem torná-lo mais suscetível a infecções por Staphylococcus Aureus. As pessoas com maior probabilidade de contrair uma infecção por estafilococos incluem aquelas com:

  • Diabetes que usam insulina
  • HIV / AIDS
  • Insuficiência renal exigindo diálise
  • Sistema imunológico debilitado – seja de uma doença ou de medicamentos que suprimem o sistema imunológico
  • Câncer, especialmente aqueles que estão passando por quimioterapia ou radioterapia
  • Danos na pele causados ​​por condições como eczema, picadas de insetos ou pequenos traumas que abrem a pele
  • Doenças respiratórias, como fibrose cística ou enfisema

Hospitalização atual ou recente

Apesar das tentativas vigorosas de erradicá-los, as bactérias Staphylococcus Aureus permanecem presentes nos hospitais, onde atacam os mais vulneráveis, incluindo pessoas com:

  • Sistema imunológico enfraquecido
  • Queimaduras
  • Feridas cirúrgicas

Dispositivos invasivos<

Bactérias Staph podem viajar ao longo da tubulação médica que conecta o mundo exterior com seus órgãos internos. Exemplos incluem:

  • Tubulação de diálise
  • Cateteres urinários
  • Tubos de alimentação
  • Tubos respiratórios
  • Cateteres intravasculares

Contato

As bactérias Staph podem se espalhar facilmente através de cortes, abrasões e contato pele a pele. Infecções por estafilococos também podem se espalhar no vestiário através de navalhas, toalhas, uniformes ou equipamentos compartilhados.

Preparação de alimentos

Os manipuladores de alimentos que não lavam as mãos adequadamente podem transferir o staph da pele para a comida que estão preparando. Alimentos contaminados com staph parecem e têm sabor normal.

Como prevenir infecções com estafilococos?

Essas precauções de senso comum podem ajudar a diminuir o risco de desenvolver infecções por estafilococos:

  • Lave suas mãos: A cuidadosa lavagem das mãos é a sua melhor defesa contra os germes. Lave as mãos rapidamente por pelo menos 20 segundos, depois seque-as com uma toalha descartável e use outra toalha para fechar a torneira. Se suas mãos não estiverem visivelmente sujas, você pode usar um desinfetante para as mãos contendo pelo menos 60% de álcool.
  • Mantenha as feridas cobertas: Mantenha os cortes e abrasões limpos e cobertos com bandagens estéreis e secas até que se curem. O pus das feridas infectadas geralmente contém bactérias staph, e manter as feridas cobertas ajudará a evitar que as bactérias se espalhem.
  • Reduza os riscos dos tampões: A síndrome do choque tóxico é causada por bactérias Staphylococcus. Como os tampões deixados por longos períodos podem ser um terreno fértil para as bactérias do tipo staph, você pode reduzir suas chances de contrair a síndrome do choque tóxico mudando o tampão frequentemente, pelo menos a cada quatro a oito horas. Use o tampão de absorção mais baixo possível e tente alternar tampões com absorventes sempre que possível.
  • Mantenha itens pessoais: Evite compartilhar itens pessoais, como toalhas, lençóis, lâminas de barbear, roupas e equipamentos esportivos. Infecções por Staphylococcus Aureus podem se espalhar em objetos, bem como de pessoa para pessoa.
  • Lave as roupas e roupas de cama em água quente: As bactérias Staphylococcus Aureus podem sobreviver em roupas e roupas de cama que não são lavadas adequadamente. Para retirar as bactérias das roupas e lençóis, lave-as em água quente sempre que possível.
  • Tome precauções de segurança alimentar: Lave as mãos antes de manusear alimentos. Se a comida sair por um tempo, certifique-se de que os alimentos quentes permaneçam quentes – acima de 140 F (60 C) – e que os alimentos frios permaneçam a 40 F (4,4 C) ou abaixo. Refrigerar as sobras o mais rápido possível.

Tem cura? Como tratar Staphylococcus Aureus?

A maioria das infecções de pele se resolve sem tratamento, no entanto, algumas infecções requerem incisão e drenagem ou tratamento com antibióticos para curar a infecção.

As infecções da pele que não são tratadas podem evoluir para infecções mais graves, com risco de vida, como infecções do osso ou do sangue.Existe a possibilidade de infecções mais duradouras ou mais graves com Staphylococcus Aureus resistente à meticilina se o antibiótico inicial prescrito não for capaz de matar as bactérias. Neste caso deverá consultar um profissional de saúde.

Referências e Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Staphylococcus
https://pt.wikipedia.org/wiki/Staphylococcus_aureus

Herpes no nariz

A herpes no nariz pode chegar a ser extremamente dolorosa e irritante devido à dificuldade de conseguir obter uma cura para ela.

Neste artigo temos como objetivo mostrar pra você os melhores dos melhores tratamentos caseiros para esse efeito.

O motivo pelo qual vamos mostrar várias alternativas de cura é pelo simples facto da herpes nasal poder demorar até 20 dias a desaparecer por completo caso não seja tratada!

Não vai querer esperar tanto tempo, pois não?

Vamos ainda falar um pouco sobre os sintomas, assim terá a certeza que tem herpes e não outro tipo de doença nasal.

Todos os tratamentos que aqui vamos colocar já foram testados por várias pessoas e tem dezenas de testemunhos de sucesso, faça pelo menos um dele, veja os efeitos e depois disso venha aqui comentar para comprovar os seus poderosos efeitos.


Sintomas da herpes no nariz

Herpes no nariz
Fonte: blog.saude.gov.br

Antes de começar um tratamento para qualquer tipo de doença é importante saber qual é a doença em específico.

Neste caso a herpes no nariz pode ser facilmente identificável caso ela esteja muito na parte de fora da sua narina, mas infelizmente nem todos os casos são assim.

Existem herpes nasais que crescem na parte de dentro do nariz e isso torna extremamente difícil concluir o seu diagnóstico.

Vamos colocar aqui alguns dos sintomas, confirme se tem algum deles.

Formigamento

Este é o primeiro sintoma do aparecimento da doença, aliás, você vai sentir o formigamento mesmo antes da ferida começar a aparecer.

O formigamento aparece cerca de 3 dias antes da formação da ferida e se conseguir diagnosticar o problema a tempo e começar o tratamento logo neste período será muito mais fácil fazer um tratamento de sucesso.

O aparecimento de uma ferida

Este é obvio, mas a verdade é que muitas pessoas tem feridas dentro do nariz e não sabem de que feridas se tratam.

A herpes é facilmente identificável devido ao seu formato e à sua cor.

herpes nasal

Para lhe facilitar um pouco a vida arranjamos uma imagem exata mostrando herpes no nariz.

A sua ferida assemelha-se a essa da foto? Então avance já para os tratamentos deste artigo!

Dores intensas

A herpes é das doenças mais incomodativas e dolorosa que a gente pode ter, e isto para não falar do constrangimento!

Como deve ter reparado através da foto acima desenvolvem-se várias bolhas de água em toda a ferida e quando essas bolhas de água rebentam a sua pele fica mais exposta e quando entra em contacto com alguma coisa é simplesmente terrível.

É por isso que nunca se deve deixar avançar a herpes no nariz, deve se tratar o mais rapidamente possível para evitar o desenvolvimento da doença.

Líquido a escorrer das bolhas

Tal como falamos anteriormente existe a formação de várias bolhas de água em volta de ferida.

Um dos sintoma de que se trata mesmo de herpes e não de outro tipo de ferida no nariz é o facto dessas bolhas largarem um líquido quando rebentam.

Quando rebentam e libertam esse líquido a parte dolorosa começa…

Não vamos deixar avançar isso, certo?

Veja já abaixo os tratamentos e comece agora mesmo!


Remédios caseiros para herpes no nariz

Tal como foi falado acima não se deve deixar andar o problema.

Quanto mais esperar para tratar pior será, por isso é importante que comece desde já.

Remédio 1 – Alho simples

Esta é sem dúvida a receita caseira para para tratar a herpes no nariz mais simples de todas, basta ter alho e começar a fazer ela!

Ingredientes:

  • 1 dente de alho.

Modo de aplicação:

É muito simples…

Corte o dente de alho em 2 metades. Pegue numa das duas metades e esfregue bem no local afetado pela herpes.

Vai arder um bocado, mas em poucos dias vai começar a notar que a ferida está a secar até que ela desapareça por completo.

Este tratamento caseiro é simples, barato e eficaz, experimente ele e diga-nos como correu!

Remédio 2 – Xarope com mel

Esta xarope é muito utilizado, siga toda a receita e acabe ainda hoje com a herpes.

Ela tem como objetivo matar a bactéria que causa a herpes, daí ser ingerido e não colocado no local.

Caso pretenda aumentar o processo de remoção da herpes pode tomar este xarope e colocar o alho da receita acima na herpes.

Ingredientes:

  • 5 cebolas;
  • 3 dentes de alho;
  • Meio litro de mel.

Quero deixar já um pequeno aviso de que pode colocar apenas metade dos ingredientes visto que vai dar muito xarope com todos esses mencionados acima.

Coloque todos os ingredientes na liquidificadora e deixe bater muito bem até ter uma mistura homogénea parecida com um xarope.

Coloque no frigorifico até ficar bem frio.

O xarope está pronto, basta tomar de acordo com os passos abaixo.

Modo de aplicação:

É muito fácil tomar este xarope.

Tome 3 colheres por dia até que a sua herpes no nariz desapareça por completo.

Deve tomar 1 colher antes do pequeno almoço, 1 colher antes do almoço e outra colher antes do jantar.

Vão ser precisos alguns dias até que o remédio faça efeito mas os testemunhos de sucesso são muitos por isso vale mesmo a pena experimentar.

Remédio 3 – Vinagre branco

O vinagre branco tem sido cada vez mais utilizado para combater a herpes, não apenas a herpes simples mas também a herpes noutros locais do corpo como nos lábios e no nariz.

Ingredientes:

  • Vinagre branco de qualquer marca;
  • Algodão.

Modo de aplicação:

Deite bastante vinagre branco num pouco de algodão.

Utilize esse algodão com vinagre para molhar a herpes várias vezes por dia.

Este tratamento deve ser feito por pelo menos 3 a 4 dias seguidos e esse período de tempo será o suficiente para acabar com a terrível herpes nasal.


Damos o nosso artigo como terminado.

Experimente alguns desses remédios caseiros, já foram todos eles testados por várias pessoas e tem vários testemunhos de que realmente funcionam.

Teste e depois venha aqui no blog deixar a sua opinião sobre o tratamento para a herpes no nariz.

Links úteis:

<< Voltar para o inicio

Lactobacillus Sp – Como ela aparece e tratamento

Você já ouviu falar da bactéria Lactobacillus Sp? Sabia que ela está presente no corpo das mulheres? Sim, é verdade. Mas calma que esse fato não é necessariamente um problema.

Neste artigo você vai conhecer um pouco mais sobre esta bactéria. Nomeadamente: sua função e também entender quando ela pode se tornar um problema para a saúde feminina. Incluindo os sintomas que evidenciam quando a bactéria causa transtornos no organismo, bem como o tratamento mais adequado.

O Lactobacillus Sp é um microrganismo em formato de vareta, que existe normalmente na flora vaginal em grande abundância e determina o pH ácido da vagina. Este deverá estar entre 3,8 e 4,5.

Essa bactéria é responsável por impedir o surgimento de outras bactérias que são prejudiciais à mucosa vaginal, assegurando, desta forma, uma vagina mais saudável e limpa.

Características do Lactobacillus Sp 

Este Lactobacillus Sp é um gênero de bactéria denominada de gram-positiva e anaeróbia facultativa ou microaerofílicas. Mas o que isso quer dizer?

Expliquemos a seguir:

Gram-positivas: são microrganismos que possuem uma coloração azul ou mesmo violeta. As paredes celulares das gram-positivas necessitam de membrana específica encontrada nas bactérias gram-negativas.

Anaeróbia: é um organismo que não precisa do oxigênio para crescer, sendo que ele pode ser multi ou unicelular.

Microaerofílicas: se proliferam em ambientes com pouca incidência de oxigênio, bem menor que a atmosfera da Terra, cuja concentração é de aproximadamente 20%. Ao mesmo tempo, sobrevivem mesmo com uma grande concentração de gás carbônico (entre 5% e 10%). Essas condições são similares as que existem no intestino, por exemplo.

Como se vê pelo exposto acima, o este é um microrganismo bom que possui um papel extremamente importante no sentido de manter um bom funcionamento do organismo, já que combate o surgimento de bactérias que possam ser nocivas à vagina.

Quando o Lactobacillus Sp pode ser um problema

Mas, quando o Lactobacillus Sp pode ser um problema para a mulher?

Bem, é possível que haja uma anormalidade quando a sua quantidade é maior ou menor do que o normal. No caso de índice de Lactobacillus alto, isso faz com que haja um maior extermínio de bactérias vaginais do que deveria, destruindo inclusive muitas que são importantes para um bom funcionamento do sistema urinário. Consequentemente, haverá um certo desequilíbrio na região.

Por sua vez, quando o nível de Lactobacillus está muito mais baixo do que o normal, isso facilita o surgimento de várias bactérias que são extremamente nocivas para o organismo e que acabam não sendo combatidas de forma adequada, já que há poucas bactérias Lactobacillus Sp.

Em situações como essas mencionadas, em especialmente pela pouca quantidade do Lactobacillus Sp no organismo, é possível que a mulher desenvolva doenças inflamatórias pélvicas, corioamnionites e até mesmo alguma infecção pós-cirúrgica. Caso esse fenômeno ocorra depois de alguma operação. É possível ainda apresentar irritações intensas na região da vagina, vulva avermelhada, ardor na uretra e dor local.

Vaginose bacteriana

Outro problema muito comum quando os níveis de Lactobacillus Sp estão menores na vagina é a vaginose bacteriana, que é caracterizada pelo corrimento e também por um odor bastante forte, que tende a aumentar durante a menstruação e também nas relações sexuais.

A mulher não costuma sentir dor, coceira ou mesmo incômodo ao urinar, ao contrário de outros tipos de infecção.

Contrair DSTs

O problema da paciente com vaginose é que ela se torna mais suscetível a contrair outras doenças, como as DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis), caso haja relação com um parceiro contaminado, além de maior risco de contrair a doença inflamatória pélvica.

Entre as DST’s mais comuns, temos: HIV, gonorreia, clamídia, HPV e herpes genital. No caso das grávidas, há um risco maior de parto prematuro.

Leitura recomendada: Células epiteliais na urina

Existe tratamento para acabar com o problema?

Não há necessidade de um tratamento específico para combater o desequilíbrio de Lactobacillus Sp na região vaginal. Isso porque, o normal é que o próprio organismo se readeque e normalize os índices da bactéria na vagina.

No caso específico da vaginose bactéria, que ocorre quando a falta de Lactobacillus Sp na flora vaginal não foi restabelecida, é recomendável a ingestão de medicamentos antibióticos por via oral ou intravaginal. Os mais comuns são o metronidazol ou a clindamicina, além do tinidazol e do secnidazol.

Mas vale um alerta: a vagina é uma região bastante sensível, por isso, é fundamental manter uma boa higiene íntima. Mas com alguns cuidados relevantes. Atenção, por exemplo, à ingestão de determinados antibióticos que possam causar um descontrole no nível de bactérias da mucosa vaginal.

É bom prestar bastante atenção também quanto ao uso de duches vaginais que, em excesso, também podem “limpar demais” a região, alterar nos níveis do pH da vagina e provocar desequilíbrios da população de bactérias, propiciando o surgimento de infecções diversas.

Além disso, é importante fazer consultas regulares junto a um ginecologista, que poderá examinar corretamente e indicar se há algum problema ou não, podendo até mesmo prescrever alguma medicação para o combate de alguma infecção originada pelo descontrole das bactérias na flora vaginal.

Links úteis:

Referências: